quarta-feira, 27 de agosto de 2014

PROPOSTA DE REDAÇÃO

PROPOSTA DE REDAÇÃO

Com base na leitura dos textos motivadores seguintes e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo (opinião com argumentos) em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema VÍCIO NAS REDES SOCIAIS, apresentando proposta de conscientização social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.



Descrição: C:\Users\PC\Desktop\blog-agencia-webi-redes-sociais-facebook-linkedin-twitter-google-plus-youtube-microsoft-sites-midias-sociais-lojas-virtuais-sistemas-sao-jose-floripa-florianopolis-santa-catarina-15-anos-agencia-digital-1.jpg
Na varanda, na cama, na cozinha e até no banheiro. O vício em redes sociais, tanto na internet, como em aplicativos de celular, é uma doença e o usuário precisa se conscientizar do problema. Esse é o caso da estudante Monalisa Duarte, que desde a hora em que acorda fica com o celular na mão. Caso haja alguma interação no Facebook, ela estará pronta para responder. Para a psicóloga Marianne Coelho, há algumas moderações para o tratamento desse vício. "As pessoas estão perdendo a coragem e o jeito de falar olho no olho. Eu conheço casais que na hora de discutir vão para o WhatsApp", confirma. A cena se repete em dezenas de lugares públicos por aí – antes de comer, por exemplo, a foto do prato é postada no Instagram ou, na hora do jantar, a conversa é compartilhada até pelo chat do Facebook.



A primeira coisa ao acordar: checar as atualizações do Twitter. Em um mundo extremamente digitalizado, essas ferramentas de aproximação virtual de pessoas têm possibilitado a criação de uma grande rede de relacionamentos online, mas afastaram e empobreceram os contatos presenciais. É cada vez mais comum que se deixe a vida real pela que acontece a cada segundo dentro das “telinhas”. Estar inserido nas redes sociais é normal; porém, a partir de que momento o uso intensivo desses dispositivos passa a ser preocupante? Segundo a psicóloga Dora Sampaio Góes, do Ambulatório de Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, o problema não está na quantidade de aplicativos de celular que você usa, mas, sim, em abrir mão de eventos sociais para ficar na companhia deles. “Percebe-se o vício quando a pessoa deixa de fazer outras coisas para estar conectada à internet, jogando online ou checando mensagens”, explica. A maioria das pessoas não se dá conta da dependência, sobretudo se o assunto em questão é a utilização do celular, pois existe um consentimento da sociedade em relação à presença intensa dele em nossas vidas. Quando todos os seus amigos têm um perfil nos mesmos sites que você, entrar lá o tempo todo passa a ser encarado como uma atividade rotineira, e o uso abusivo, às vezes, passa despercebido. “É como o caso da pessoa que bebe e fala: ‘Imagine, eu só bebo aos fins de semana, não está me atrapalhando!’. Esse autoengano é comum em quadros de dependência, seja ela comportamental ou química”, conta a psicóloga.
Disponível em: <http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/>. Acesso em: 03 de maio de 2013.
INSTRUÇÕES:

  • O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado. O mesmo não será corrigido.
  • O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas.
  • A redação deve conter, no mínimo, 15 (quinze) linhas escritas.
  • A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertativo (opinião) – argumentativo (argumentos) receberá nota zero.