quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Prova 1º ano Literatura

Bimestre
Professor
MARCONILDO VIEGAS
Disciplina
LITERATURA BRASILEIRA
Série:
1º ano
Turma
Turno
Data
____/____/2016
Aluno (a):

MARQUE APENAS QUANDO TIVER CERTEZA DA RESPOSTA.
·          Não use corretivo; Use somente caneta AZUL ou PRETA.
·          Não serão consideradas questões sem cálculos ou rasuradas.
RECUPERAÇÃO

Leia o texto e responda o que se pede


Observe o quadro do Classicismo estudado em sala de aula, de Hans Baldung – Grien, denominado de As três idades da mulher e a morte.

Resultado de imagem para as tres idades da mulher
Disponível em: <http://filosofiacienciaevida.uol.com.br/ESFI/Edicoes/32/artigo129564-1.asp>. Acesso em 10 de set de 2015.

1.    Esse quadro de Hans Baldung – Grien é clássico e é uma das temáticas da época, pois mostra a mulher como símbolo de perfeição e que a única coisa que pode detê-la é o tempo, uma vez que a representação da morte com uma ampulheta – instrumento de medição do tempo – está sendo segurada por ela. Nesse contexto pergunta – se: qual é a relação entre essa personagem e o título da obra As 3 idades da mulher e a morte?

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Leia o texto e responda o que se pede:

Texto III

LXXVIII 
(Camões, 1525?-1580)

Leda serenidade deleitosa,
Que representa em terra um paraíso;
Entre rubis e perlas doce riso;
Debaixo de ouro e neve cor-de-rosa;

Presença moderada e graciosa,
Onde ensinando estão despejo e siso
Que se pode por arte e por aviso,
Como por natureza, ser fermosa;

Fala de quem a morte e a vida pende,
Rara, suave; enfim, Senhora, vossa;
Repouso nela alegre e comedido:

Estas as armas são com que me rende
E me cativa Amor; mas não que possa
Despojar-me da glória de rendido. 

CAMÕES, L. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2008.
Resultado de imagem para A PINTURA E O POEMA, EMBORA SENDO PRODUTOS DE DUAS

SANZIO, R. (1483-1520) A mulher com o unicórnio. Roma, Galleria Borghese.  Disponível em: www.arquipelagos.pt. Acesso em: 29 fev. 2012. (Foto: Reprodução/Enem)

  1. A pintura e o poema, embora sendo produtos de duas linguagens artísticas diferentes, participaram do mesmo contexto social e cultural de produção pelo fato de ambos

A)apresentarem um retrato realista, evidenciado pelo unicórnio presente na pintura e pelos adjetivos usados no poema.
B)valorizarem o excesso de enfeites na apresentação pessoal e na variação de atitudes da mulher, evidenciadas pelos adjetivos do poema.
C)apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela sobriedade e o equilíbrio, evidenciados pela postura, expressão e vestimenta da moça e os adjetivos usados no poema.
D)desprezarem o conceito medieval da idealização da mulher como base da produção artística, evidenciado pelos adjetivos usados no poema.
E)apresentarem um retrato ideal de mulher marcado pela emotividade e o conflito interior, evidenciados pela expressão da moça e pelos adjetivos do poema.

Veja a História em Quadrinhos (não é necessário ler os balões):

Resultado de imagem para o auto do barca do inferno em quadrinhos
Resultado de imagem para o auto do barca do inferno em quadrinhos
3.    O auto da barca do inferno é uma peça do maior escritor do teatro da língua portuguesa, chamado Gil Vicente. Nesse contexto, pergunta-se: Gil Vicente fazia parte de um movimento literário chamado de:

a)    Humanismo
b)    Classicismo
c)    Quinhentismo
d)    Barroco
e)    Todas as respostas.


4.    A carta de Pero Vaz de Caminha, sobre o achamento do Brasil, enviada a El-Rei Dom Manuel é a principal manifestação literária do Quinhentismo, movimento literário brasileiro do século XVI. Tendo em vista o seu teor, podemos afirmar que os leitores, ao se depararem com tal texto, conseguiriam através dele:

     (A)  resgatar valores e conceitos sociais brasileiros.
(B) descobrir a história brasileira pela arte.
(C) ter mais informações sobre a arte brasileira.
(D) ver a cultura indígena brasileira.
(E) perceber o interesse português em explorar a nova terra.

Leia o soneto de Camões que faz parte do Classicismo e responda o que se pede:

Texto V

O tempo acaba o ano, o mês e a hora

O tempo acaba o ano, o mês e a hora,
A força, a arte, a manha, a fortaleza;
O tempo acaba a fama e a riqueza,
O tempo o mesmo tempo de si chora;

O tempo busca e acaba onde mora
Qualquer ingratidão, qualquer dureza;
Mas não pode acabar minha tristeza,
Enquanto não quiserdes vós, Senhora.

O tempo o claro dia torna escuro
E o mais ledo prazer em choro triste;
O tempo, a tempestade em grão bonança.

Mas de abrandar o tempo estou seguro
O peito de diamante, onde consiste
A pena e o prazer desta esperança.

  1.  Qual é o tema do poema de Camões?

a)    O amor correspondido.
b)    O amor não correspondido.
c)    A política no Brasil
d)    O amor na poesia de Carlos Drummond.
e)    Todas as respostas.


Leia o poema barroco abaixo e responda as questões propostas:

A Cristo Senhor Nosso crucificado,
estando  o poeta na última hora da sua vida

Gregório de Mattos.

Meu Deus, que estais pendente (pendurado) em um madeiro (cruz),
Em cuja lei protesto viver,
Em cuja santa lei hei de morrer
Animoso (cheio de ânimo), constante, firme, e inteiro. 

Neste lance, por ser o derradeiro,
Pois vejo a minha vida anoitecer,
É, meu Jesus, a hora de se ver
A brandura de um Pai manso Cordeiro.

Mui (muito) grande é vosso amor, e meu delito (pecado),
Porém pode ter fim todo o pecar,
E não o vosso amor, que é infinito.

Esta razão me obriga a confiar,
Que por mais que pequei, neste conflito
Espero em vosso amor de me salvar.
  1. Por que o poeta se mostra confiante em obter o perdão divino?

a) Porque o amor de Deus é grande e o nosso delito também, mas o delito tem fim e o amor de Deus não.
b) Porque o amor de Deus é grande e o nosso delito é pequeno também, mas o delito tem fim e o amor de Deus não.
c) Porque eu não sei agradecer da forma que deve ser.
d) Porque eu sou egoísta.
e) Todas as respostas.

  1. Que diferença o poeta mostra entre o pecado humano e o amor divino?

a) Porque o amor de Deus é infinito, mas o delito finito.
b) Porque o amor de Deus é finito, mas o delito infinito.
c) Porque eu sei que Deus perdoa.
d) Porque eu sei que sou pecador.
e) Todas as respostas.


Leia o texto e responda o que se pede:

Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
– Em que espelho ficou perdida
a minha face?

(MEIRELES, Cecília. Retrato. In: _____. Os melhores poemas de Cecília Meireles. Seleção de Maria Fernanda. 11 ed. São Paulo: Global, 1999, p. 13).

  1. No poema Retrato, a passagem do tempo é vista pelo eu lírico com:

a)         Tranquilidade / saudosismo           
c)            Ansiedade / aceitação             
b)        Alegria / surpresa                          
d) Insatisfação / tristeza
e) Indiferença / surpresa

Leia o texto e responda o que se pede:

Sermão vigésimo sétimo

Os senhores poucos, os escravos muitos; os senhores rompendo galas, os escravos despidos e nus; os senhores banqueteando, os escravos perecendo à fome; os senhores nadando em ouro e prata, os escravos carregados de ferros; os senhores tratando-os como brutos, os escravos adorando-os e temendo-os como deuses; os senhores em pé apontando para o açoite, como estátuas da soberba e da tirania, os escravos prostrados com as mãos atadas atrás como imagens vilíssimas da servidão e espetáculos da extrema miséria.

(VIEIRA, Pe. Antônio. Sermão vigésimo sétimo. In: AMORA, Antônio Soares, org. Sermões, 2 ed. São Paulo, Cultrix, 1981, p. 58.)

  1. No texto, verificam-se os seguintes traços do barroco:

    I.            a presença de um grande número de antíteses.
   II.            a predominância dos aspectos denotativos da linguagem.
III.            a utilização do recurso da hipérbole para melhor traduzir o sofrimento dos escravos.
IV.            o envolvimento político do jesuíta.

                   Estão corretas apenas as afirmativas:

a)I e II.       
b)III e IV.         
c)II e III.        
d)I e IV.        
e)I e III.

  1. O trecho a seguir vincula-se ao conceptismo barroco:

“Sendo, pois, certo que a palavra divina não pode deixar de frutificar por parte de Deus, segue-se que ou é por falta do pregador ou por falta dos ouvintes. Por qual será? (...) Os ouvintes ou são maus ou são bons; se são bons, faz neles grande fruto a palavra de Deus; se são maus, ainda que não faça fruto, faz efeito. (...) a palavra de Deus é tão fecunda, que nos bons faz muito fruto e é tão eficaz que nos maus, ainda que não faça fruto, faz efeito; lançada nos espinhos não frutificou, mas nasceu até nos espinhos; lançada nas pedras não frutificou, mas nasceu até nas pedras.” (Padre Antônio Vieira. Sermão da Sexagésima).

Nesse trecho, NÃO ocorre o (a)

a)  elogio da natureza para justificar um ideal pagão de vida.
b)  uso de estruturas oracionais que enfatizam as relações de causa, condição e conseqüência.
c)  apelo à repetição de palavras e idéias.
d)  progressão gradual do raciocínio, com vistas ao convencimento do ouvinte ou leitor.
e)  uso de antíteses e metáforas.












Boa Prova!