sábado, 30 de junho de 2012

As variedades lingüísticas




CHOPIS CENTIS
Eu “di” um beijo nela
E chamei pra passear.
A gente fomos no shopping
Pra “mode” a gente lanchar.
Comi uns bicho estranho, com um tal de gergelim.
Até que “tava” gostoso, mas eu prefiro
aipim.
Quanta gente,
Quanta alegria,
A minha felicidade é um crediário nas
Casas Bahia.
Esse tal Chopis Centis é muito legalzinho.
Pra levar a namorada e dar uns
“rolezinho”,
Quando eu estou no trabalho,
Não vejo a hora de descer dos andaime.
Pra pegar um cinema, ver Schwarzneger
E também o Van Damme.
(Dinho e Júlio Rasec, encarte CD Mamonas Assassinas, 1995.)

1. Nessa música, o grupo intencionalmente explora uma variante lingüística. Para isso, cria uma personagem que teria determinadas características de fala. No terceiro verso, temos uma construção que está em desacordo com a norma culta. Identifique-a e reescreva-a em língua culta.

2. Pouco sabemos sobre a pessoa que fala nessa música, mas, por algumas pistas do texto, podemos
imaginar. Na sua opinião, qual deve ser:

a) o grau de escolaridade dela?                     c) a classe social a que ela pertence?
b) a profissão?                                               d) os filmes a que normalmente ela assiste?

3. No 3o. verso da 3a. estrofe, é empregada uma gíria: “uns rolezinho”. Imagine o sentido dessa expressão, a partir do contexto.

4. Existem alguns termos na letra da música que também podem nos dar pistas sobre a origem da pessoa que fala na música: “mode” e “aipim”. Em que região do país esses termos são popularmente empregados?


À MODA CAIPIRA
Para a Sonia Junqueira, pela parceria e amizade.
U musquitu ca mutuca
num cumbina.
U musquitu pula
i a mutuca impina.
U patu ca pata
num afina.
U patu comi grama
i a pata qué coisa fina.
U gatu cum u ratu
vivi numa eterna luita.
U ratu vai cumê queiju,
vem um gatu i insurta.
U galu ca galinha
num pareci casadu.
A galinha vai atrais deli
i u galu sarta di ladu.
U pavão ca pavoa
mais pareci muléqui.
A pavoa passa réiva
e eli só abri u léqui.
U macacu ca macaca
num pareci qui si ama:
ela pedi um abraçu,
ele dá uma banana…
Eu mais ocê cumbina
qui dá gostu di vê:
eu iscrevu essas poesia
i ocê cuida di lê…
(Cantos de encantamento. Belo
Horizonte: Formato, 1996. p. 22.)


1.    Ao escrever esse poema, o autor não obedeceu às regras ortográficas da língua portuguesa.

a) Por que o autor escreveu o texto desse modo?
b) Qual é o dialeto que o autor usou para escrever o poema?

2. Compare as palavras abaixo. As da coluna da esquerda estão escritas de acordo com as regras ortográficas, e as da coluna da direita estão escritas conforme aparecem no poema.
mosquito musquitu
pato patu
rato ratu

a)      Quais dessas palavras lembram mais o nosso jeito de falar?

b) Conclua: Nosso jeito de falar sempre corresponde ao modo como as palavras são escritas?


Presada Cenhora,
Quero candidatarme pra o lugar de auçiliar de iscritório que vi no jornau. Eu teclo muito de pressa con um dedo e fasso contas ben.
Axo que sou bom ao tefone  em bora  seija uma peçoa sem muito extudo.
O meu salario tá aberto há discução pra que a senhora possa ver o que mi pode pagar e a Cenhora axar qui eu meresso.
Pósso comessar imediatamente. Agradessido em avanso pela sua resposta.
Cinceramente,
José Machado Valente
PS : Como o meu currico é muinto piqueno, abaicho tem 1 foto minha.




Foto censurada



Resposta da selecionadora:
Querido José Machado,
O emprego é seu. Nós temos correção automática no word. Compareça já amanhã.