terça-feira, 11 de julho de 2017

Exercícios

Leia o texto e responda o que se pede:

Mais portugueses nas salas de cinema em 2006

Incerto, Langdon saiu da cama, sentindo os pés mergulharem fundo no tapete floral estilo savonnerie. Vestiu o roupão do hotel e foi até a porta.
- Quem é?
- Sr. Langdon? Preciso falar com o senhor. - O inglês do homem tinha sotaque, um latido cortante e autoritário. - Meu nome é Jérôme Collet, tenente da Direção Central de Polícia Judiciária.
Langdon fez uma pausa. Polícia Judiciária? A DCPJ, na França, era mais ou menos o mesmo que o FBI nos Estados Unidos.
Deixando a correntinha na porta, Langdon abriu-a alguns centímetros. O rosto que o olhava era magro e pálido. O homem era excepcionalmente esguio, vestido com um uniforme azul de aspecto oficial.
- Posso entrar? - indagou o agente.
Langdon hesitou, sentindo incerteza enquanto os olhos amarelados do homem o estudavam.
- O que é que está havendo, afinal?
- Meu capitão necessita de sua habilidade em um assunto particular.
- Agora? - objetou Langdon. - Já passa de meia-noite.
- Estou correto ao afirmar que o senhor tinha um encontro marcado com o diretor do Louvre esta noite?
Langdon sentiu um súbito desconforto. Ele e o reverenciado curador do Louvre, Jacques Saunière, tinham marcado um encontro para tomar um drinque depois da palestra de Langdon naquela noite, mas Saunière não comparecera. - Sim. Como sabia?
- Encontramos seu nome na agenda dele.
- Não aconteceu nada demais, aconteceu?
O agente soltou um suspiro pesaroso e passou-lhe uma foto polaróide pela abertura estreita da porta.
Quando Langdon viu a foto, seu corpo inteiro se contraiu.
- Essa foto foi tirada há menos de uma hora. Dentro do Louvre.
Enquanto olhava aquela imagem bizarra, Langdon sentiu que a repugnância e o choque iniciais cediam lugar a um súbito acesso de fúria.
- Mas quem é que faria uma coisa dessas?
- Tínhamos esperanças de que o senhor pudesse nos ajudar a responder essa mesma pergunta, considerando-se seu conhecimento de simbologia e seus planos de encontrar-se com ele.
Langdon ficou olhando a foto, estarrecido, o horror agora mesclado com medo. A imagem era repulsiva e profundamente estranha, trazendo-lhe uma sensação esquisita de déjà vu. Pouco mais de um ano antes, Langdon havia recebido uma foto de um cadáver e um pedido de ajuda semelhante. Vinte e quatro horas depois, quase tinha perdido a vida dentro da Cidade do Vaticano. Essa foto era totalmente diferente e, mesmo assim, alguma coisa naquela história toda parecia-lhe inquietantemente familiar.
O agente consultou seu relógio.
- Meu capitão está esperando, senhor.
Langdon mal o escutou. Seus olhos ainda estavam pregados à foto.
- Este símbolo aqui e a forma como o corpo dele está, tão estranhamente...
- Posicionado? - indagou o agente.
Langdon concordou, sentindo um arrepio ao olhar para o homem.
- Não dá para imaginar quem faria isso com uma pessoa.
A expressão do policial se tornou austera.
- O senhor não está entendendo, Sr. Langdon. O que está vendo nessa foto... - fez uma pausa - ...foi Monsieur Saunière quem fez isso consigo mesmo.


1.     Lendo o texto acima e falando do gênero épico (conta um feito histórico ou heroico), pergunta-se: O que as narrativas mais antigas apresentam como característica comum?

a)     Os feitos extraordinários de um herói.
b)    Registra a trajetória das narrativas, e seu estudo nos ajuda a compreender mudanças sociais.
c)     A historia verossímil com relação à relação a religião.
d)     A vida investigativa de Langdon.
e)     A situação precária da religião ao longo dos anos.

2.     A força do caráter é o que define um herói. No último parágrafo, quando pensamos em herói, logo nos vem a mente superpoderes e excesso de força física.          Que habilidades, então Robert Langdon deveria ter para se tornar um herói adequado a narrativa?

a)     Ele usa a reflexão, a tranquilidade, a perspicácia, a inteligência, adiantando a força física.
b)    Ele usa a reflexão, a tranquilidade, a perspicácia, a inteligência, não adiantando de nada a força física.
c)     Ele usa a metáfora, a prosopopeia, a perspicácia, a inteligência, não adiantando de nada a força física.
d)    Ele usa a inteligência para ganhar dinheiro em cima do decifrar códigos, não adiantando de nada a força física.
e)     Ele usa a inteligência, a perspicácia para conquistar a simpatia da polícia francesa.

Leia o texto não verbal e verbal e responda o que se pede:

Resultado de imagem para suria a garota do circo
  1. De acordo com a imagem que acompanha o dialogo, em que lugar Suriá está?
________________________________________________________________________________________________________________________

  1. No 6º quadrinho há um desfecho (final) inesperado. O garoto entendeu o que Suriá falou? Justifique.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Leia o texto narrativo a seguir e responda o que se pede:

A serra do Rola-Moça - Mário de Andrade

A serra do Rola-Moça
não tinha esse nome não...
eles eram do outro lado,
vieram na vila casar.
E atravessaram a serra,
o noivo com a noiva dele
cada qual no seu cavalo.


Os dois estavam felizes,
na altura tudo era paz.
Pelos caminhos estreiros
ele na frente, ela atrás.
E riam. Como eles riam!
Riam até sem razão.
A serra do Rola-Moça
não tinha esse nome não.

As tribos rubras da tarde
rapidamente fugiam
e apressadas se escondiam
lá embaixo nos socavões
temendo a noite que vinha.

Porém os dois continuavam
cada qual no seu cavalo,
e riam. Como eles riam!
E os risos também casavam
com as risadas dos cascalhos
que pulando levianinhos
da vereda se soltavam
buscando o despenhadeiro.

Ah! Fortuna inviolável!
O casco pisara em falso.
Dão noiva e cavalo um salto
precipitados no abismo.
Nem o baque se escutou.

Faz um silêncio de morte.
Na altura tudo era paz...
Chicoteando o seu cavalo,
no vão do despenhadeiro
o noivo se despenhou.

E a serra do Rola-Moça,
Rola-Moça se chamou.

Disponível em: <http://umpoucodepoesia-msframos.blogspot.com.br/2011/05/serra-do-rola-moca-mario-de-andrade.html>. Acesso em 05 de fev de 2017.

  1. Nesse poema predomina narração, descrição ou discussão de ideias? Justifique.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

  1. Que expressão, repetida no poema, resume o estado de espirito dos noivos antes de ocorrer a tragédia?
____________________________________________________________________________________________________________________________________

Leia, a seguir, um fragmento “A aranha” e responda o que se pede (SISTEMA SAE – 2017):

            – O Melo tinha uma fazenda, creio que na Alta Paulista. Passava lá enormes temporadas, sozinho, num casarão desolador. Era um verdadeiro deserto. E como era natural, distração dele era o violão velho de guerra. Hora livre, pinho no braço, dedada nas cordas. No fundo, um romântico, um sentimental. O pinho dele soluça mesmo. Geme de doer. Corta a alma. É contagiante, envolvente, de machucar. Ouvi-o tocar várias vezes. A madrugada que passou, O luar do sertão, e tudo quanto é modinha sentida que há por aí tira até lágrima da gente, quando o Melo toca...
(LESSA, Orígenes. Omelete em Bombaim. São Paulo: Global. 1946.)

  1. Esse texto não é uma crônica, por que:

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

  1. Observando as aulas de Redação, escreva no Mapa 3 países que falam a língua portuguesa no mundo.


Resultado de imagem para PAISES QUE FALAM PORTUGUES



Leia o texto e responda o que se pede:
Um vaga-lume macho sobrevoa a vegetação espessa à procura da fêmea para o acasalamento. Enquanto voa, vai piscando num ritmo próprio de sua espécie. Lá embaixo, a fêmea da mesma espécie vagalumeia no mesmo ritmo, como que para avisar que o macho pode se aproximar.
Vaga-lumes: a linguagem do pisca-pisca. Disponível em: <http://chc.cienciahoje.uol.com.br/vaga-lumes-a-linguagem-do-pisca-pisca/>. Acesso em: 12 nov. 2016.

  1. Mantendo o sentido que tem no texto, a palavra “espessa” pode ser substituída por:

a) rala.
b) densa.
c) com poucas árvores.
d) florida.
e) impressionante.

  1. Na frase: Era um verdadeiro deserto. Usa-se denotação ou conotação? Justifique.


________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________