terça-feira, 11 de julho de 2017

Exercícios

(SAE-2017) O texto a seguir, uma anedota de Ziraldo, servirá para responder as questões 1 e 2.
           
            A vizinha abre a porta. É o Juquinha:
            ̶   Dona Maria, posso entrar no seu quintal?
            ̶   Não. Deixa que eu vou lá pra você. O que é que caiu lá desta vez?
            ̶   Minha flecha.
            ̶   Onde ela está?
            ̶   Espetada no seu gato.
ZIRALDO. As anedotinhas do bichinho da maçã. São Paulo: Melhoramentos, 2006. p. 69.

1. Toda narrativa ficcional utiliza determinados elementos para que a história possa ser narrada. Nessa anedota, o(s) personagem(ns) é(são):
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

  1. Na fala: “ ̶  Não. Deixa que eu vou lá pra você. O que é que caiu lá desta vez?”, à qual termo anterior se refere a palavra “lá” nas duas ocorrências?  
________________________________________________________________________________

  1. Observando as aulas de Redação, escreva no Mapa 3 países que falam a língua portuguesa no mundo.


Resultado de imagem para PAISES QUE FALAM PORTUGUES
Leia o texto não verbal e verbal e responda o que se pede:
Imagem relacionada

  1. De acordo com a imagem que acompanha o dialogo, em que lugar Suriá está?
________________________________________________________________________________________________________________________

  1. No 4º quadrinho há um desfecho (final) inesperado. O que Suriá falou? Justifique.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 Leia o texto a seguir de uma lenda mineira e responda o que se pede:

A serra do Rola-Moça - Mário de Andrade

A serra do Rola-Moça
não tinha esse nome não...
eles eram do outro lado,
vieram na vila casar.
E atravessaram a serra,
o noivo com a noiva dele
cada qual no seu cavalo.

Antes que chegasse a noite
se lembraram de voltar.
Disseram adeus para todos
e se puseram de novo
pelos atalhos da serra
cada qual no seu cavalo.

Os dois estavam felizes,
na altura tudo era paz.
Pelos caminhos estreiros
ele na frente, ela atrás.
E riam. Como eles riam!
Riam até sem razão.
A serra do Rola-Moça
não tinha esse nome não.

Porém os dois continuavam
cada qual no seu cavalo,
e riam. Como eles riam!
E os risos também casavam
com as risadas dos cascalhos
que pulando levianinhos
da vereda se soltavam
buscando o despenhadeiro.

Ah! Fortuna inviolável!
O casco pisara em falso.
Dão noiva e cavalo um salto
precipitados no abismo.
Nem o baque se escutou.

Faz um silêncio de morte.
Na altura tudo era paz...
Chicoteando o seu cavalo,
no vão do despenhadeiro
o noivo se despenhou.

E a serra do Rola-Moça,
Rola-Moça se chamou.

Disponível em: <http://umpoucodepoesia-msframos.blogspot.com.br/2011/05/serra-do-rola-moca-mario-de-andrade.html>. Acesso em 05 de fev de 2017.

  1. Nesse poema predomina a narração, descrição ou discussão de ideias? Justifique.

____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

  1. Que expressão, repetida no poema, resume o estado de espírito dos noivos antes de ocorrer a tragédia?

____________________________________________________________________________________________________________________________________

  1. (Colégio Pedro II – 2014)

Observe a 3ª imagem da mãe na tira. Considerando o diálogo com a filha, a expressão do rosto da mãe indica qual pensamento?  Que tipo de balão existe nessa tirinha?

________________________________________________________________________________________________________________________

Leia, a seguir, um fragmento do conto “A aranha” e responda o que se pede (SISTEMA SAE – 2017):

            – O Melo tinha uma fazenda, creio que na Alta Paulista. Passava lá enormes temporadas, sozinho, num casarão desolador. Era um verdadeiro deserto. E como era natural, distração dele era o violão velho de guerra. Hora livre, pinho no braço, dedada nas cordas. No fundo, um romântico, um sentimental. O pinho dele soluça mesmo. Geme de doer. Corta a alma. É contagiante, envolvente, de machucar. Ouvi-o tocar várias vezes. A madrugada que passou, O luar do sertão, e tudo quanto é modinha sentida que há por aí tira até lágrima da gente, quando o Melo toca...
(LESSA, Orígenes. Omelete em Bombaim. São Paulo: Global. 1946.)

  1. É característica do conto literário:

________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Leia o texto abaixo e responda sobre a Variação Linguística:

Isso aconteceu numa época em que o grande detetive Sherlock Holmes estava aposentado e um tanto esquecido. Em Londres, onde morava, ninguém mais o chamava para elucidar mistérios. Conformava-se, dizendo: não se fazem mais bandidos como antigamente.

  1. A Variedade Linguística presente no texto é: Formal ou Informal? Justifique.
________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________