domingo, 23 de dezembro de 2012

Material de Produção Textual


Curso Decisão rumo a Universidade
Disciplina: Produção Textual
Professor: Marconildo Viegas                   Serie: 1º ano



























Tipos de Redação
Narrativa
Personagens (protagonista, antagonista e coadjuvantes)
Local/Espaço
Tempo (cronológico ou psicológico)
Enredo

Tipo de Discurso

Discurso direto
Maria disse:
 - Eu estou aqui.

Discurso indireto
Maria disse que estava aqui.

Atividade
De acordo com suas competências, escreva entre as opções abaixo um desenvolvimento para que se encaixe um dos finais dados, para a história que começa assim...

Era uma vez uma moça pobre que vivia na casa de uma senhora má...
a)    e finalmente a nave alienígena foi destruída pela frota estelar. *-*
b)   e, no décimo assalto, desferiu-lhe um cruzado de direita, colocando o adversário na lona, enquanto o público ovacionava o novo campeão mundial.













Aproveite esse trecho do texto Conto Policial e crie uma continuidade a essa história.
Eram mais ou menos duas horas da madrugada, quando a porta se abriu e uma lufada de vento entrou pela janela, espalhando os papeis que estavam sobre a mesa. Atrás do vento entrou um homem horrível, com cara de macaco, orelhas grandes e cabeludas. Seu olhar era de faminto e sua expressão era a de um louco. Imenso, deu dois passos em direção ao dono da casa e, estendendo a mão enorme, disse com voz rouca:
- Eu quero comer.

_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________






Cartas
Correspondência é a troca de cartas, bilhetes e telegramas entre pessoas que não partilham o mesmo espaço físico, em determinado momento, mas que desejam conversar a distancia.
Escrever uma carta pessoal para alguém distante é uma decisão de caráter emocional, pois recuperamos uma memória em comum, lembranças, saudades, aquilo que desejávamos dizer.
O envelope fechado traz noticias boas ou más. A emoção toma conta de nós...
Costumamos classificar a correspondência em particular e institucional.
A literatura e a correspondência
Todas as cartas de amor
Fernando Pessoa

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam carta de amor se não fossem
Ridículas.
Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.
As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser ridículas.
Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.
Quem dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.
A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas
(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas).


Interpretação
1.    Qual é a temática (assunto) do texto?
2.    A linguagem do texto abordado é culta-formal ou coloquial-informal? Justifique com elementos do texto.
3.    O texto é literário ou não-literário?
4.    Que palavra do trecho “Todas as cartas de amor são/Ridículas”  pretende torná-lo incontestável?
5.    O eu lírico fala baseado em sua experiência? Em que verso ele afirma isso?
6.    Segundo o eu lírico que fato faz com que, necessariamente, as cartas de amor se tornem ridículas?
7.    A 1ª estrofe do poema de Fernando Pessoa deixa claro o seu conteúdo: desdenhar das cartas de amor. Essa afirmação é verdadeira?
8.    Lendo a 6ª estrofe, pode-se afirma que o eu lírico está casado ou solteiro ou separado? Justifique.
A carta como gênero discursivo
Os propósitos da comunicação e o uso constate de uma forma de interlocução, para determinados fins, geram os gêneros discursivos. O gênero das cartas (do latim charta, que significa folha de papel, papel, papiro, folha escrita, carta, livro, documentos escritos) é chamado de epistolar, como as epístolas dos apóstolos.


Estrutura de uma carta
Localidade e data
Interpelação inicial (Querida amiga...)
Fórmula de cortesia (Como estão todos por aí...)

Corpo do texto
Fórmula de despedida (Abraços carinhosos...)
Assinatura


PS. (Abreviação para post-scriptum, do latim: escrever depois ou em seguida).


Palavras derivadas de carta: cartão, cartolina, cártula, descartar, descartável, cartada (lance decisivo), cartório (local onde se registram cartas ou documentos importantes).



Tipos de cartas


Carta aberta
Carta celeste
Carta branca
Carta constitucional
Carta de abono
Carta de alforria
Carta de aviso
Carta de á-bê-cê
Carta de consciência
Carta de crédito
Carta de guia
Carta de marear
Carta de marca
Carta de reconhecimento
Carta de remessa
Carta de saúde
Carta de navegação
Carta do abc
Carta fora do baralho
Carta geográfica
Carta hidrográfica
Carta isófota
Carta magna
Carta náutica
Carta orobatimétrica
Carta patente
Carta precatória
Carta régia
Carta reversal
Carta rumada
Carta rogatória
Carta testamentária
Carta topográfica
Carta dimissória
Dar as cartas
Deitar as cartas
Mostrar as cartas
Por as cartas na mesa



Ismênia, moça donzela
Saudações,

Dr. Antônio, desculpe a ousadia de escrever, ontem fiquei arrependida de não confessar a paixão que sinto, porque tive vergonha, vejo que o senhor é casado e pai de tantos filhos, acho que isso não tem importância, a gente sabe de tanta mulher casada gostando do homem de outra, quanto mais eu que sou moça donzela, a diferença é que não sou correspondida.
Venha na mesma hora, eu espero no portão e mamãe não vai nos ver. Se o doutor não vier é sinal que não tem a mínima simpatia.

Sem mais, sua criada obrigada,
Ismênia.

P.S. Desculpe os erros que estou um pouco nervosa.

Querido Antônio.

Eu escrevo este bilhete, não posso suportar este amor.
Olha Antônio, de hoje em diante eu te farei os desejos, só se você me estimar como tua amante, não me deixe faltar nada e nunca me abandone.
Te espero às três horas, no lugar de sempre. Não quebro o juramento que fiz, mas você não sei, Antônio,

Sempre fiel,
Ismênia.

P.S. De há muito pedi o teu retrato, não serei merecedora? Sofrendo do estômago, tudo por causa do nosso amor. Mande um dinheirinho pelo menino para comprar remédio. Sonhei a noite toda que me traías e não me querias mais, será?

Estimado Antônio.

Saudações.

Esta será a última que a minha Mao te escreve. Ontem choveu teve desculpa, hoje uma bonita noite, esperei até nove horas, você não veio e sei que sou desprezada.
Ou porque a velha não saiu da sala? Ela pode ficar lá na cozinha. Não se faça de rogado, Antônio. Que horror, depois de combinado você se arrepender, venha sim?

A que há de ser tua,
Ismênia.

PS. Peço um dinheirinho pelo menino, estou apurada para pagar uma conta e a pessoa esperando aqui.

Antônio.

Te peço por esmola, já que não quer o meu amor, um dinheirinho para eu dar por uma prestação, o turco veio aqui com desaforo, estou louca de tristeza.
Olha, Antônio, resolvida a ser tua de corpo e alma,não quero que me dê roupa, jóia, perfume, só o aluguel da casa, já fico satisfeita, o resto Deus há de dar forças para mamãe.

Venha que eu espero, hoje, hoje.

A que será tua.
Ismênia.

P.S. Não ligue os erros e acentos. Falei com mamãe, ela está de acordo.

Querido Antônio.

Estou perdidamente triste, pensando nesta vida amarga, fiz o trato de ser tua, você ajudava um pouco, oito dias que não me aparece, acho que se arrependeu e não me quer mais.

Sou a mesma,
Ismênia.

P. S. Um pequeno favor eu peço, a caridade de entregar ao menino qualquer importância, a velha tem de pagar umas continhas, amanhã é a extração do dente, amanhã sem falta.
Desculpe o lápis, eu não tinha tinta, anjinho meu.

Meu inesquecível Antônio,

Não seja traidor, não iluda um pobre coração, você me enganou e não vem matar esta paixão, você é mesmo mau, não quer o meu amo, não é longe, sei que está com raiva d mim.
O que te fiz, Antônio, que se tornou tão ingrato? A dona reclama o aluguel, não queria te incomodar. Passei o dia bem amolada, escrevo esta cartinha com lágrimas nos olhos, as letras não estão borradas?

Antônio, quero ser tua, inteirinha tua e que seja meu também.
Ismênia.

PS. Desculpe o papel e o envelope, é efeito da crise.


Meu inesquecível Antônio,

  Tão triste, quase para desistir da vida, não dormi nada, pensando nesta desgraçada sorte, cinco dias ano vem aqui, sei que não mereço teu amor, sou humilde e tu és um Doutor! O mundo sorri diante de ti, antes não vinha por causa da lama, com estas noites de luar, por que não vem?
Antônio, resolvi mandar a velha, se você empresta algum dinheiro, bem doente com uma forte gripe e muito magra, precisei ir ao médico, não sei o que seria de mim, um remédio caro, sem recurso não posso pagar, se acaso empresta o dinheiro mande por mamãe, se não puder tudo manda pelo menos um pouco.

A sempre fiel,
Ismênia.

PS. Antônio, se quer me ver morta, é que não vem hoje. Não fique zangado.  Por você dou até minha salvação, quero ser tua de alma e corpo e vida.

Saudações,

Queridinho, te mando esta cartinha para saber notícia, tenho muita saudade, sabes que não posso sair de casa por causa do meu amigo. Coisinhas do outro mundo pra te contar.
Antônio, ele não me deixa sair, ate apanhei uns tapas, você foi e continua sendo meu primeiro amor, há de perdoar a traição que te fiz.
Não mereço tua raiva, sei que sou inocente, fui iludida pela falsa lábia do bandido, agora está desempregado, não tenho mesmo sorte, por favor mandes algum dinheiro pelo menino, que eu preciso demais, a tua

Ismênia.

PS. Meu bem, à tarde ele não estará em casa, pode vir sem medo. Esperto às três horas no portão e serei tua, inteirinha tua.


Antônio, pensa que não sei do caso com uma dama casada? pelo amor de teus filhos não fales no meu nome para essa sujeita que só prejudicou o nosso amor, você homem sem caráter, o tempo de tratar de negócio como doutor de respeito andas atrás de qualquer uma, tenho fé nas forças do inferno que todo o mal há de cair sobre ela e você, que andou se gabando de mim, não esperava que fosses tão ingrato, Antônio pense bem no que vai ser de mim, agora que fui abandonada pelo meu amigo, não sei se sabias que me deixou em estado interessante, não tenho coragem para fazer-te mal, mas espero com resignação que Deus se vingará por mim já tive amor por ti, jurei que meu coração puro era só teu, o nosso amor segundo tu dizes era como o pó que a gente limpa do sapato, não faz mal porque uma coisa você não pode dizer, que tenha sido tua, pois tua eu nunca fui, era preciso cortar a tua língua comprida, falador não tens mais o que falar? quanto mais velho mais sem juízo, eu te odeio até a morte, nunca te perdôo de me trocares por uma qualquer, hei de mostrar como se dá o desprezo, sou feliz e serei até morrer, gozando na vida, invejada por você e sem mais aceite um abraço desta que te odeia.
                                
P.S. Não assino porque é indigno do meu nome

Redação

Esse texto apresenta uma série de elementos e situações que podem levar as pessoas a se sentirem felizes.
Nele, o leitor, por vezes, é interpelado sobre a seguinte pergunta: “O que faz você feliz?
Considerando que uma empresa realizará um concurso para premiar o(a) candidato(a) que melhor responda, por meio de uma carta, à pergunta “O que faz você feliz?”, e supondo que você participará desse concurso, redija seu texto, observando as seguintes orientações:
• Siga a estrutura padrão de uma carta;
• Dirija sua carta ao gerente da empresa;
• Use a norma culta da língua escrita;
• Redija sua carta com, no mínimo, 10 linhas e, no máximo, com 15;
• Assine sua carta usando o pseudônimo “O(A) Sonhador(a)”.

􀀦 “A carta é um gênero textual que costuma apresentar uma estrutura padrão, composta de local e data, vocativo (o nome da pessoa a quem se dirige a carta), texto e assinatura.”

(CEREJA, William Roberto e MAGALHÃES, Thereza Cochar. Texto e Interação: uma proposta de produção textual a partir de Gêneros e projetos. 2 ed. São Paulo: Atual, 2005, p.17).

Redação 2
ORIENTAÇÕES GERAIS

􀂃 Mantenha fidelidade ao TEMA e ao GÊNERO solicitados em cada questão.
􀂃 Utilize as informações fornecidas pelos textos apresentados para cada questão. Os textos NÃO PODEM SER COPIADOS. Caso seja necessário citar passagens desses textos, use aspas.
􀂃 Apresente letra legível, utilizando caneta esferográfica com tinta preta ou azul.
􀂃 Faça rascunho, se necessário.

Disponível em: <http://br.geocities.com/exploracaoinfantil/outras/pedra.jpg>. Acesso em: 20 nov. 2008.
Imagine-se no papel de um repórter que comparece ao local onde ocorreu o fato retratado. Redija um texto para ser publicado no jornal em que você trabalha, noticiando esse fato. Para tanto, observe as seguintes orientações:
• Siga a estrutura de uma notícia;
• Redija seu texto com, no mínimo, 12 linhas, e, no máximo, com 15 linhas;
• Use a norma padrão da língua escrita.

􀀦NOTÍCIA é a expressão de um fato novo, que desperta o interesse do público a que o jornal se destina. Caracteriza-se por ter uma linguagem clara, impessoal, concisa e adequada ao veículo que a transmite.”

CEREJA, William Roberto & MAGALHÃES, Thereza A. Cochar. Português: linguagens: literatura, gramática e redação. 2. ed. rev. e ampl. São Paulo: Atual, 1994, p.58.


Redação 3
Leia os textos a seguir.
[...] a Constituição assegura à criança e ao adolescente o direito à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. (Art. 227)
BORJA, Celio. Surto de intolerância. In: VEJA. Editora ABRIL. – Ed. 2008 – Ano 40, Nº 19. 16 mai. 2007, p. 57.

“Segundo levantamento da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), existem cerca de 80.000 crianças abrigadas no Brasil. [...] uma situação nociva para o desenvolvimento de qualquer criança e em total desacordo com um de seus direitos fundamentais – o de ser criada por uma família, seja a biológica, seja uma substituta.”
SOARES, Ronaldo. Mudança para melhor. In: VEJA. Editora ABRIL – Ed. 2075 – Ano 41, Nº 34. 27 ago.2008, p. 70.

Imagine que você está participando de uma pesquisa de opinião, disponível em um site, em que são apresentados os textos acima, devendo responder à seguinte pergunta:

A ADOÇÃO RESOLVE O PROBLEMA DO MENOR ABANDONADO NO BRASIL?

Para produzir seu texto, considere as seguintes orientações:
• Siga a estrutura de um texto de opinião;
• Redija seu texto com, no mínimo, 10 linhas, e, no máximo, com 12 linhas;
• Use a norma padrão da língua escrita.

Texto de opinião é um texto argumentativo, em que o autor apresenta seu ponto de vista acerca de determinado assunto, com o objetivo de convencer o leitor a aceitar suas idéias.
DUTRA, Vânia L.R. O texto de opinião no ensino fundamental. Disponível em: <http://www.filologia.org.br/ixcnlf/10/13.htm>.
Acesso em: 21 nov. 2008
ORIENTAÇÕES GERAIS
􀂃 Mantenha FIDELIDADE ao TEMA e ao GÊNERO solicitados em cada questão.
􀂃 Utilize as informações fornecidas pelos textos apresentados para cada questão. Os textos NÃO
PODEM SER COPIADOS. Caso seja necessário citar passagens desses textos, use aspas.
􀂃 Apresente letra legível, com TINTA PRETA ou AZUL.
􀂃 Faça rascunho, se necessário. Contudo, os RASCUNHOS NÃO SERÃO CORRIGIDOS.
􀂃 Responda às questões 01 e 02 nos espaços predeterminados nas folhas de respostas.
.
Redação 4

A corrupção não é um fato novo na história do Brasil. O caso do “mensalão” (escândalo da transferência de recursos a parlamentares, em 2005) é um capítulo a mais. A decisão do Supremo Tribunal Federal, em 28 de agosto de 2007, transformando em réus 40 (quarenta) envolvidos nesse escândalo, é um caso inédito para o povo brasileiro.

Acerca dessa decisão, considere os fragmentos de textos:

“A histórica decisão do STF, enquadrando a “quadrilha” do mensalão, pode ser o início de mudança do paradigma de impunidade para os poderosos, até agora vigente no País.”

(ALMEIDA, José Nobre. ISTOÉ, São Paulo, n.1975, p.14, set.2007. Seção Cartas).

“A briga não será fácil. Contra a verdadeira justiça estão o poder econômico e a influência política dos espertalhões — os que usufruíram de seus cargos para cometer os delitos.”

(SILVA, Fábio Moreira da. ISTOÉ, São Paulo, n. 1975. p.12, set.2007. Seção Cartas).

“Ao acolher a denúncia do Ministério Público, o STF acendeu uma pequena luz no fim do túnel para a decência e a moralidade no nosso Brasil. As casas de apostas pagavam dez por um na impunidade, diante dos últimos acontecimentos. Pelo menos agora o caminho está aberto para a punição daqueles que tanto corromperam e zombaram da dignidade do nosso povo.”

(SAGUIAR NETO, Habib. ISTOÉ, São Paulo, n.1975. p.12, set.2007. Seção Cartas).

A partir das idéias contidas nesses fragmentos, considere-se um leitor que deseja expressar, em um jornal, o seu ponto de vista a respeito da atuação da justiça no Brasil. Para tanto, redija um artigo de opinião, observando as seguintes orientações:
• Siga a estrutura padrão de um artigo de opinião;
• Use a norma culta da língua escrita;
• Redija o texto com, no mínimo, 20 linhas e, no máximo, com 25;
• Assine seu artigo usando o pseudônimo “Cidadão(ã) Brasileiro(a)”.

􀀦 O artigo de opinião, geralmente publicado em jornais e revistas, compreende textos “nos quais o autor expressa seu ponto de vista sobre o tema em discussão”.
(CEREJA,William Roberto e MAGALHÃES, Thereza Cochar. Texto e Interação: uma proposta de produção textual a partir de Gêneros e projetos. 2 ed. São Paulo: Atual, 2005, p.129).











































Ninguém = Ninguém
Engenheiros do Hawaii
Há tantos quadros na parede
há tantas formas de se ver o mesmo quadro
há tanta gente pelas ruas
há tantas ruas e nenhuma é igual a outra
(ninguém = ninguém)
me espanta que tanta gente sinta
(se é que sente) a mesma indiferença
há tantos quadros na parede
há tantas formas de se ver o mesmo quadro
há palavras que nunca são ditas
há muitas vozes repetindo a mesma frase
(ninguém = ninguém)
me espanta que tanta gente minta
(descaradamente) a mesma mentira
todos iguais, todos iguais
mas uns mais iguais que os outros


Uns Iguais Aos Outros
Titãs
Os homens são todos iguais
(...)
Brancos, pretos e orientais
Todos são filhos de Deus
(...)
Kaiowas contra xavantes
Árabes, turcos e iraquianos
São iguais os seres humanos
São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros
Americanos contra latinos
Já nascem mortos os nordestinos
Os retirantes e os jagunços
O sertão é do tamanho do mundo
Dessa vida nada se leva
Nesse mundo se ajoelha e se reza
Não importa que língua se fala
Aquilo que une é o que separa
Não julgue pra não ser julgado
(...)
Tanto faz a cor que se herda
(...)
Todos os homens são iguais
São uns iguais aos outros, são uns iguais aos outros

A cultura adquire formas diversas através do tempo e do espaço. Essa diversidade se manifesta na originalidade e na pluralidade de identidades que caracterizam os grupos e as sociedades que compõem a humanidade. Fonte de intercâmbios, de inovação e de criatividade, a diversidade cultural é, para o gênero humano, tão necpessária como a diversidade biológica para a natureza. Nesse sentido, constitui o patrimônio comum da humanidade e deve ser reconhecida e consolidada em benefício das gerações presentes e futuras.
UNESCO. Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural.

Todos reconhecem a riqueza da diversidade no planeta. Mil aromas, cores, sabores, texturas, sons encantam as pessoas no mundo todo; nem todas, entretanto, conseguem conviver com as diferenças individuais e culturais. Nesse sentido, ser diferente já não parece tão encantador. Considerando a figura e os textos acima como motivadores, redija um texto dissertativo-argumentativo a respeito do seguinte tema.
O desafio de se conviver com a diferença
Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista e suas propostas, sem ferir os direitos humanos.
Observações:
􀂾 Seu texto deve ser escrito na modalidade padrão da língua portuguesa.
􀂾 O texto não deve ser escrito em forma de poema (versos) ou narração.
􀂾 O texto com até 7 (sete) linhas escritas será considerado texto em branco.
AS 5 COMPETÊNCIAS AVALIADAS NO ENEM


Dominar linguagens

Dominar a norma culta da língua portuguesa e fazer uso da linguagem matemática, artística e científica.

Compreender Fenômenos

Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas.

Enfrentar Situações-Problema

Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situaçõesproblema.

Construir Argumentação

Relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente.

Elaborar Proposta

Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

Compreende, ainda, a competência de ler, compreender, interpretar e produzir textos no sentido amplo do termo, envolvendo todas as áreas e disciplinas que compõem a atividade pedagógica da escola. Pressupõe, portanto, instrumental de comunicação e expressão adequados tanto para a compreensão de um problema matemático quanto para a descrição de um processo físico, químico ou biológico e, mesmo, para a percepção das transformações de espaço/tempo da história, da geografia e da literatura.












Uma vez que nos tornamos leitores da palavra, invariavelmente estaremos lendo o mundo sob a influência dela, tenhamos consciência disso ou não. A partir de então, mundo e palavra permearão constantemente nossa leitura e inevitáveis serão as correlações, de modo intertextual, simbiótico, entre realidade e ficção.
Lemos porque a necessidade de desvendar caracteres, letreiros, números faz com que passemos a olhar, a questionar, a buscar decifrar o desconhecido. Antes mesmo de ler a palavra, já lemos o universo que nos permeia: um cartaz, uma imagem, um som, um olhar, um gesto.
São muitas as razões para a leitura. Cada leitor tem a sua maneira de perceber e de atribuir significado ao que lê.
Inajá Martins de Almeida. O ato de ler.
Internet: <www.amigosdolivro.com.br> (com adaptações).
Minha mãe muito cedo me introduziu aos livros.
Embora nos faltassem móveis e roupas, livros não poderiam faltar. E estava absolutamente certa.
Entrei na universidade e tornei-me escritor. Posso garantir: todo escritor é, antes de tudo, um leitor.
Moacyr Scliar. O poder das letras. In: TAM Magazine,
jul./2006, p. 70 (com adaptações).

Existem inúmeros universos coexistindo com o nosso, neste exato instante, e todos bem perto de nós. Eles são bidimensionais e, em geral, neles imperam o branco e o negro.
Estes universos bidimensionais que nos rodeiam guardam surpresas incríveis e inimagináveis! Viajamos instantaneamente aos mais remotos pontos da Terra ou do Universo; ficamos sabendo os segredos mais ocultos de vidas humanas e da natureza; atravessamos eras num piscar de olhos; conhecemos civilizações desaparecidas e outras que nunca foram vistas por olhos humanos.
Estou falando dos universos a que chamamos de livros. Por uns poucos reais podemos nos transportar a esses universos e sair deles muito mais ricos do que quando entramos.
Internet: <www.amigosdolivro.com.br> (com adaptações).

Considerando que os textos acima têm caráter apenas motivador, redija um texto dissertativo a respeito do seguinte tema:
O PODER DE TRANSFORMAÇÃO DA LEITURA.
Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as reflexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e opiniões para defender seu ponto de vista e suas propostas, sem ferir os direitos humanos.
Observações:
_ Seu texto deve ser escrito na modalidade padrão da língua portuguesa.
_ O texto não deve ser escrito em forma de poema (versos) ou narração.
_ O texto deve ter, no mínimo, 15 (quinze) linhas escritas.
_ A redação deve ser apresentada a tinta.